Dia vinte

Fico dizendo que tenho medo dos elefantes, mas a árvore? A árvore eu estou começando a odiar. A árvore está tirando sarro da minha cara.

Horas de trabalho

HORAS de trabalho

Árvore à parte, o quebra-cabeça tem muita variação de cor e textura – fico muito feliz que a minha equipe não tenha escolhido uma cena de Animais do Ártico, ainda que tenha sido só porque não conseguiram encontrar uma. Ainda assim, algumas áreas têm toneladas de peças virtualmente idênticas, por isso decidi que era hora de classificar por forma além de cor. Essa tornou-se a nova missão da minha avó a partir de hoje (minha mãe estava com a tarefa auto-designada de encontrar o resto dos suricatos).

Bandejas recursivas

Bandejas recursivas

Tenho alguns quebra-cabeças em que as peças se encaixam tão bem juntas que uma pequena parte pode ser levantada, apesar de que com cuidado. Não é assim com este. Na verdade, a gente precisa ter muito cuidado ao inclinar-se sobre ele, porque as peças se prendem a uma pessoa bem melhor do que uma na outra ou no tecido por baixo e aí acontece um desastre.

Day twenty

I keep saying that I’m afraid of the elephants, but the tree? The tree I’m starting to hate. The tree mocks me.

Hours of work

HOURS of work

Tree aside, the puzzle has a lot of color and texture variation — I am very grateful my team didn’t pick an Animals of the Arctic scene, even if it was only because they couldn’t find one. Still, some areas have tons of virtually identical pieces, so I decided it was time to sort by shape as well as color. This became grandma’s new assignment today (mom had the self-appointed task of finding the rest of the meerkats).

Recursive containers

Recursive containers

I have some puzzles where the pieces fit so well together that small section can be lifted, albeit carefully. Not so with this one. In fact we need to be really careful when leaning over because the pieces stick to a person a lot better than to each other or to the fabric underneath and then disaster strikes.